Inseticida: tiramos suas dúvidas sobre o produto

Você quer saber como um inseticida funciona? Tem receio de que o produto possa causar mal à sua família?

Saiba, ainda, qual é o jeito mais eficiente de acabar com uma infestação de insetos em casa.

Inseticida é o nome que se dá a um amplo conjunto de substâncias usadas para eliminar insetos. Esses produtos servem para imobilizar ou mesmo matar não só as criaturas adultas, como também os ovos, as larvas e as pupas, que são fases anteriores do ciclo evolutivo desses bichos.

Existem inseticidas para pragas urbanas e para pragas agrícolas. Alguns são de amplo espectro, mostrando-se eficazes contra diferentes espécies. Porém, outros são desenvolvidos para tipos específicos de infestação. Por isso, é importante pesquisar muito bem antes de escolher a opção que você vai levar para casa.

Inseticida é agrotóxico?

Não necessariamente. Os agrotóxicos são os defensivos agrícolas, isto é, substâncias usadas nas lavouras para afastar pragas como pulgões, lagartas e formigas.

Nas cidades, contudo, a denominação é outra. As empresas que trabalham com controle de pragas urbanas usam o termo “domissanitário”. Afinal, é assim que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) classifica os saneantes usados no combate a baratas, mosquitos e outros invasores de residências.

Vale lembrar que as imunizadoras atuantes na zona urbana não têm autorização para administrar agrotóxicos. Ou seja: cada ambiente requer uma solução própria, de preferência com profissionais habilitados para eliminar insetos.

Diferença entre inseticida e pesticida

Muita gente acha que inseticida e pesticida são a mesma coisa. Bem, na verdade é quase isso.

Pesticida é uma denominação genérica para diferentes artigos utilizados na produção agrícola. Resumindo, inseticida é um tipo de pesticida, mas nem todo pesticida pode ser chamado de inseticida. Ficou bem simples de entender, né?

O que o inseticida faz com os insetos?

Os inseticidas são produtos químicos que geralmente atuam no campo neurológico. Eles atacam os neurotransmissores dos insetos, fazendo com que o sistema pare de funcionar. Dessa forma, o bicho acaba morrendo.

Algumas variedades agem sobre hormônios e enzimas específicas do corpo, inibindo o desenvolvimento e a reprodução das pragas.

Vale lembrar que os níveis de toxicidade são considerados seguros para humanos, desde que o inseticida seja usado da maneira correta. Uma superdosagem pode levar a complicações.